Local do E-ELT Escolhido

Abril 26, 2010 às 10:56 pm | Publicado em Astronomia, Telescópios | Deixe um comentário

No dia 26 de Abril de 2010, o Conselho do ESO escolheu o Cerro Armazones como o local de instalação do provável telescópio de 42 metros, o E-ELT, European Extremely Large Telescope. O Cerro Armazones é uma montanha com uma altitude de 3060 metros situada na região central do deserto do Atacama, no Chile, a cerca de 130 quilómetros a sul da cidade de Antofagasta e a 20 quilómetros do Cerro Paranal, local do Very Large Telescope do ESO.

Anúncios

Hubble – 20 anos

Abril 25, 2010 às 12:28 am | Publicado em Astronomia, Telescópios | Deixe um comentário

O Hubble fez 20 anos. É um aniversário bonito para um telescópio como o Hubble. Durante estes 20 anos portou-se lindamente. Ajudou a descobrir imensa coisa. Lembro-me da miopia inicial, da primeira missão de arranjo e como de repente tudo mudou. Tenho uma série de colecções de slides dele. Deram muito jeito para dar astronomia.

Astrofísica e física de partículas

Abril 22, 2010 às 11:59 am | Publicado em Astronomia, Livros | Deixe um comentário

Muito interessante este livro sobre astrofísica e física de partículas. Conceitos bem explicados e exemplos de demonstração, que gosto sempre de ver num livro. O livro já vai em 2ª edição revista e actualizada, que pode ser vista em parte no google books.

O Universo negro

Abril 21, 2010 às 12:37 pm | Publicado em Livros | Deixe um comentário

James Martin Overduin e Paul S. Wesson escreveram em 2008, um livro interessante, que pode ser visto no google books. Chamou-me atenção a parte sobre a matéria negra. Simples e bem explicada. Mais alguma informação na página da editora.

Telescópios em miniatura

Abril 20, 2010 às 11:42 pm | Publicado em Telescópios | Deixe um comentário

Uma loja que vende telescópios em miniatura…

Moimenta da Beira

Abril 17, 2010 às 1:48 pm | Publicado em Encontros | Deixe um comentário

Já está disponível o programa do 2º encontro de telescópios em Moimenta da Beira. No ano passado estiveram 42 telescópios presentes, este ano a organização espera ultrapassar esse número. A não perder.

A nova visão espacial americana

Abril 17, 2010 às 12:29 am | Publicado em Espaço | Deixe um comentário

É óbvio que depois do fim do programa “Constelação”, Obama tinha que arranjar um novo rumo para a NASA e para exploração tripulada do espaço. Desta forma, foi à Florida anunciar a nova visão espacial americana que passa pela possibilidade de lançar uma missão tripulada a um asteróide e mais tarde uma missão tripulada a Marte. Para isso vai precisar de um novo lançador pesado a definir até 2015 e também de uma nova nave tripulada que tenha capacidade para viagens além da órbita baixa terrestre. Marte aparece nesta estratégia como objectivo final e o passo intermédio será o pouso num asteróide.

É óbvio que há uma certa dose de utopia neste projecto. Ir a Marte é muito mais caro que ir à Lua, mas os americanos já foram à Lua, portanto, há que pensar em ir mais longe. Mas este tipo de políticas a longo prazo implica obviamente uma certa continuidade, ora não me parece que isto seja uma linha de acção sustentável a longo prazo. Estamos a falar de muitos biliões de dólares e vamos ver se futuras administrações seguirão esta política. Mas para já é o que temos. Aqui ficam os pontos principais do discurso de Obama.

Aumentar o orçamento da NASA em seis biliões de dólares durante os próximos cinco anos.

Definir até 2015 um novo lançador pesado capaz de lançar naves tripuladas além da órbita baixa da Terra.

Reestruturar o programa Constelação e usar a tecnologia já desenvolvida para a nave Orion de forma a criar sistemas de fuga da ISS em caso de emergência.

Estabelecer as bases tecnológicas para uma futura nave tripulada capaz de missões para além da órbita baixa da Terra.

Aumento do número de dias dos astronautas americanos no espaço.

Estender a vida operacional da ISS para lá de 2020.

Desenvolver junto do sector privado a capacidade para construir naves capazes de transportar astronautas e carga à ISS.

Já não fazem planetas como os nossos…

Abril 13, 2010 às 1:14 pm | Publicado em extra-solares | 2 comentários

Há dias assim, em que acordamos de manhã e uns tipos no Reino Unido dizem-nos que descobriram seis planetas extra-solares que andam em redor da sua estrela em sentido contrário ao da rotação estelar. Ficamos logo a pensar como é que isto é possível? Perturbações gravitacionais, efeitos de maré, dizem eles e nós começamos a pensar no nosso sistema solar, tudo certinho, com os planetas gigantes no sítio certo, com tudo a funcionar sem grandes complicações, tudo a andar para o mesmo lado e pensamos na sorte de estar aqui. Só nos falta agora um dia destes, estes mesmo tipos dizerem que afinal sistemas como o nosso são raros na galáxia e que Terras também. Cá está, já não fazem planetas como os nossos…

Geologia planetária no Porto

Abril 13, 2010 às 12:02 am | Publicado em cursos | Deixe um comentário

Descobri há tempos que o Departamento de Geologia da FCUP tem uma cadeira de opção em geologia planetária. É uma novidade em Portugal e por isso merece a minha atenção. Não conheço a docente que dá esta cadeira (obviamente que não é da área), mas noto pelo programa (que é ambicioso) que tem pela frente uma grande vastidão de conteúdos em termos de abordagem. O programa está bem feito, mas não é fácil falar de tantos tópicos em 135 horas, mas calculo que o programa definido tenha em conta essa limitação. Em relação à bibliografia recomendada, o livro de Gunter Faure e Teresa Mensing é muito bom e acho que é bem aconselhado, assim como o livro do Christiansen e do Hamblin. Já o “Universe” do Freedman e do Kaufmann, acho um livro desadequado para uma cadeira de geologia planetária, nem percebo o sentido da recomendação. O “Moons and Planets” do Hartmann tinha mais sentido nesse lugar. Mas cá fica então a referência a esta novidade portuense.

Origens no FISUA

Abril 11, 2010 às 10:36 pm | Publicado em cursos | 2 comentários

Vai começar esta semana no FISUA o curso “Origens”. Ainda não temos o número suficiente de inscrições para começar, mas esperemos que até terça-feira a coisa fique mais composta.  Vamos ver se não temos azar. O curso é de 15 horas e é a primeira vez que o “Origens” se faz neste moldes. Estive durante estas férias da Páscoa a modificá-lo. Está melhor agora, embora mais pequeno, mas está mais simples. Tenho obviamente pena que não se faça agora, mas se não for agora é em Outubro. Vamos ver.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.