Sabemos sempre muito pouco…

Maio 12, 2009 às 2:35 am | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário

Passei o ano a estudar astrofísica solar. Pois é tenho a cabeça cheia de matéria solar e acabei hoje finalmente o meu último trabalho sobre a propagação de duas ejecções de massa coronal (CMEs). Posso finalmente respirar e pensar noutras coisas. Mas foi um longo relatório em que tive que analisar uma CME emitida no limbo solar em 27/2/2000 e outra emitida em direcção à Terra em 28/10/2003. Esta última foi um evento poderoso na época associado a uma flare provocando auroras e atingindo mesmo a região da Voyager 2 a 73 UA do Sol.

O interessante disto é que ficamos a perceber como é que se mede a velocidade de uma CME e as consequências das mesmas na Terra. E não deixa de ser engraçado haver tanta gente neste planeta a estudar a isto e a tentar prever quando é uma coisa destas vem em direcção a nós. Uma nuvem de plasma a 2000 km/s, capaz obviamente de provocar estragos na Terra. Mas está feito, aumentei um pouco mais a minha cultura científica e confirmei uma coisa que já sabia há muito. Sabemos muito pouco de astronomia e eu fiquei a saber mais umas coisitas, aprendi a analisar regiões activas a estudar CMEs e a resolver uns quantos problemas, mas continuo um neófito. E esta é a grande lição a tirar. Sabemos sempre muito pouco, como eu costumo dizer sabemos umas coisitas…

Anúncios

Deixe um Comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: