Migração planetária

Novembro 29, 2008 às 7:44 pm | Publicado em Planetas | Deixe um comentário

É um tema que está na moda. A possibilidade dos planetas migrarem relativamente à sua posição inicial de formação. Também pode ter acontecido no sistema solar como defendia Edward W. Thommes et al. em 2001. Fiz um pequeno PPT que simula um pouco esse cenário. A ideia da migração no sistema solar surge porque os modelos teóricos não conseguem explicar a formação de Úrano e Neptuno no sítio onde estão. Sendo assim, surge a possibilidade destes dois planetas terem nascido numa posição mais recuada e depois de formados é que fizeram as malas e foram para o local onde estão. O responsável pela migração terá sido Júpiter que os perturbou gravitacionalmente. 

migracao-planetaria

Origem da vida

Novembro 29, 2008 às 12:47 am | Publicado em Livros | Deixe um comentário

Um livro de Ilda Dias e Hernâni Maia, que vai ser apresentado em Coimbra  no próximo dia 4 de Dezembro. Conheço um dos autores e penso que o livro deve ter uma abordagem interessante do tema com ligações à astronomia.

Cassini

Novembro 27, 2008 às 11:02 pm | Publicado em Planetas | Deixe um comentário

Não se sabe muito bem ainda o que provoca os géisers que vemos em Encélado, uma lua de Saturno. Os géisers foram observados pela Cassini como grandes plumas de vapor de água e de partículas de gelo que escapam da lua. Dentro das plumas estão jactos de poeira e de gás.

Há teorias que defendem que estes jactos têm origem numa fonte subterrânea de água líquida a uma temperatura morna, mas outras teorias defendem que os jactos podiam ser provocados por mecanismos que não requerem água líquida. Portanto, estamos numa fase de pesquisa e de contradição entre diversas teorias. Os dados mais recentes parecem favorecer a teoria de uma fonte de água líquida, mas ainda é cedo para dizer ao certo qual é o mecanismo por trás dos jactos.

Mas o interessante nisto tudo é termos uma sonda ali. Porque sem a Cassini esta discussão não existia. Nem saberíamos que Encélado tem vulcanismo gelado.

Planos europeus para o futuro

Novembro 26, 2008 às 12:56 am | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário

Os planos europeus para o futuro da astronomia europeia. A ver com atenção. Como é óbvio o European Extremely Large Telescope será a grande prioridade.

VrMars

Novembro 24, 2008 às 8:20 pm | Publicado em Planetas | Deixe um comentário

Parece ser um programa interessante sobre a forma como vemos Marte pelos olhos de um rover. Ainda não o testei, mas estou curioso. Pode ser testado na versão demo.

Panorama

Novembro 23, 2008 às 12:21 am | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário

Um belo panorama de Lisboa com a Lua a nascer no horizonte do Miguel Claro.

Noite

Novembro 20, 2008 às 12:19 am | Publicado em Dia-a-dia | Deixe um comentário

Está uma noite calma. Não se sente nada, a não ser o apelo da noite. Nem uma brisa, nem o frio cortante do Inverno. Apenas a pacatez dos campos, a transparância negra da noite.  Sente-se o ar ameno. Um tempo que não é de agora. Uma calmaria, uma serenidade nocturna. Apetece sair, apetece ver as estrelas. É Novembro e não parece.

Má sorte

Novembro 19, 2008 às 8:12 pm | Publicado em Astronomia | 1 Comentário

A ver

Novembro 19, 2008 às 12:32 am | Publicado em cursos, Dia-a-dia | Deixe um comentário

Um curso sobre dinossauros de que gostei. É que ultimamente não tenho feito outra coisa senão falar destes bichos pelas escolas e ando, por isso, numa onda de dinossauromania.

Mundos estranhos

Novembro 18, 2008 às 12:34 am | Publicado em Planetas | 2 comentários

Esta pequena polémica sobre a primeira detecção directa de um planeta extra-solar por Kalas et al., fez-me lembrar que o estatuto do 1º hipotético planeta detectado por observação directa (2M 1207B) está longe de ser consensual. Na verdade existem várias reservas quanto ao verdadeiro estatuto deste famoso planeta, pois parece tratar-se claramente de um objecto que nasceu juntamente com a anã castanha, embora com uma massa planetária. Daí que há quem ache que o objecto em questão e a anã castanha são na verdade um sistema binário e não um planeta e uma estrela.

Para mim, parece-me mais um binário de uma anã castanha e de uma outra coisa qualquer estranha, para a qual não temos uma boa definição. É que temos claramente um problema com este objecto que é o ter uma massa planetária, mas ter nascido como se fosse uma estrela num sistema binário. Isso mostra que o nosso conceito de planeta não é muito claro ou abrangente no caso dos planetas extra-solares e que não consegue incluir coisas esquisitas como o 2M 1207B.

Sei que não é fácil arranjar um conceito abrangente, mas parece-me que não podemos estar muito cingidos ao nosso conceito tradicional de planeta. Senão o 2M 1207B passa a ser uma coisa sem família. Agora é curioso como todos os comunicados do ESO divulgam o 1207B como um planeta extra-solar.

Portanto, seguindo esta linguagem popular digamos que a 1ª detecção directa de um extra-solar foi mesmo o 1207B, embora a sua definição como planeta seja polémica e escape ao conceito tradicional de planeta. Desse ponto de vista, o Fomalhaut B é mais fácil de definir como planeta que o 1207B. Disso também não há dúvida.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.