Úrano

Agosto 31, 2006 às 6:30 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário
A dança de Úrano e Ariel com a lua a fazer-lhe um pequeno eclipse.

Um dia destes…

Agosto 31, 2006 às 1:58 pm | Publicado em Astronomia | 2 comentários
Um dia destes vão descobrir um planeta extra-solar com a massa da Terra à volta de uma outra estrela. Depois vão reparar que tem uma órbita excêntrica e que foi expulso para a referida órbita por um planeta gigante que anda por lá também. E depois aqueles que despromoveram Plutão com base no argumento de não ser dominante na sua órbita vão ter um problema chato para resolver. Ou seja, como é que um corpo com a massa da Terra não pode ser considerado planeta?

Finalmente

Agosto 31, 2006 às 1:12 pm | Publicado em Astronomia | 2 comentários
Um mapa da poluição luminosa da Península Ibérica. Fazia falta um mapa destes. O mapa interactivo é de um pormenor admirável.

O dia do blogue

Agosto 30, 2006 às 4:11 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário

Não sabia que o dia do blogue era amanhã?

A imaginar…

Agosto 30, 2006 às 4:01 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário

Entrei no café com um rio na algibeira
e pu-lo no chão,
a vê-lo correr
da imaginação…

A seguir, tirei do bolso do colete
nuvens e estrelas
e estendi um tapete
de flores
a concebê-las.

Depois, encostado à mesa,
tirei da boca um pássaro a cantar
e enfeitei com ele a Natureza
das árvores em torno
a cheirarem ao luar
que eu imagino.

E agora aqui estou a ouvir
A melodia sem contorno
Deste acaso de existir
-onde só procuro a Beleza
para me iludir
dum destino.

José Gomes Ferreira

A ver

Agosto 30, 2006 às 3:29 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário
A Cassipoeia A pelos olhos do Hubble.

Ditos

Agosto 30, 2006 às 3:25 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário
Dizer que a Rússia vai a partir de 2015 lançar uma nova estação espacial pode até ser interessante para o orgulho da nação russa. Mas a realidade está muito longe da fantasia neste caso.

Ver o céu (em Vouzela)

Agosto 30, 2006 às 3:19 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário
Há uma emoção profunda quando contemplamos o céu. Qualquer coisa de ancestral que existe dentro de nós e que vibra quando vemos as estrelas ou a Via Láctea. Mesmo naquela pessoa que não se interessa pelo assunto. Mesmo aí qualquer coisa surge quando se olha o céu num sítio escuro. Pode ser um sentimento adormecido, mas está lá. É preciso é não deixá-lo morrer. Há poucos dias constatei isso no Caramulo, no final de uma caminhada pela serra. Tanta gente para ver o céu. Quantos não terão ainda esse sentimento profundo?

Fragilidades

Agosto 28, 2006 às 3:27 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário
É fácil perceber que o argumento usado pela UAI para despromover Plutão da categoria de planeta é muito frágil. Ou seja, de que um objecto só pode ser considerado planeta se for dominante na sua órbita ou por outras palavras se for capaz de atrair os objectos circundantes e limpar o sítio por onde anda. Ora diga-se de passagem que Plutão é dominante na sua órbita, pois não tem por lá nada que o impeça de circular. Portanto, no sítio onde anda foi capaz de limpar tudo à sua passagem. Percebe-se, no entanto, que o argumento se refere mais ao princípio do sistema solar quando os 8 planetas que conhecemos limparam tudo à sua volta e se tornaram dominantes nas suas órbitas. Plutão deve em tempos idos ter circulado perto de Neptuno, mas foi depois ejectado por este para a sua órbita actual. Portanto, foi “limpo” por Neptuno. Mas isso não invalida que Plutão circule agora numa órbita onde é dominante. Portanto, o argumento tem fragilidades e custa perceber como é que aquela gente na UAI usou uma argumentação tão frágil para despromover Plutão?

Ciel et Espace

Agosto 27, 2006 às 9:57 pm | Publicado em Astronomia | Deixe um comentário
O último número da Ciel et Espace com o choque da Smart-1 contra a Lua.

Página seguinte »

Site no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.