Alto Minho

Agosto 14, 2005 às 7:10 pm | Publicado em Astronomia | 1 Comentário
Conheço mal o Alto Minho. Conheço mal aquelas terras metidas na serra da Peneda, onde estive este fim-de-semana. Mas no Verão, não parecem tão agrestes como no Inverno. As pessoas que vivem por lá ainda labutam na terra de sol a sol, mas muitos emigraram ou foram para as cidades e só os velhos ficaram para trás. A Peneda hoje é turismo e foi praticamente nessa qualidade que fui até lá, pois a Astrofesta decorreu em Lamas de Mouro.

As portas de Lamas de Mouro marcam a entrada no Parque da Peneda. A câmara de Melgaço investiu no local nos últimos anos e construiu uma zona muito agradável com instalações fixas para recepção e orientação dos visitantes. O complexo é recente (foi inaugurado há pouco mais de um ano) mas tinha de facto boas condições para acolher uma Astrofesta. Acho que quem esteve por lá notou isso e gostou do local.

Aproveitei também para conhecer Castro Laboreiro, antigo concelho medieval, onde se come bem, embora com preços pouco amigáveis. Lá no cimo de uma rocha nota-se ainda as ruínas da velha fortaleza que vigiavam noutros tempos os espanhóis ali ao lado. Castro Laboreiro ainda é um aldeamento serrano, mas nota-se ali e acolá alguma pressão para construir.

Fique num hotel magnífico encostado ao santuário da Senhora da Peneda. O hotel e o santuário estão metidos numa garganta e a serra por cima deles é imponente. Agora no Verão não faltam por lá visitas.Dizem que a virgem apareceu por ali a uma pastora. Enfim, a aparição do costume.

Mas eu não estava ali para turismo, mas sim para a Astrofesta. As noites são frias mesmo agora com os dias quentes. Mas mesmo em Lamas de Mouro já se nota o clarão de luz Melgaço. Apesar de tudo é um sítio interessante para observar e foi isso que fiz na Sexta à noite. Lá estive um bom bocado a conversar no escuro e a espreitar pelos telescópios disponíveis. Não eram muitos, mas conheci observadores que nunca tinha visto noutros encontros. Ontem, já não. Estive todo o dia entretido nas palestras e acabei a noite de madrugada a palestrar. O auditório esteve sempre cheio, mesmo quando o sono já era muito. Quando fui para a observação já não restava quase nada. Meti-me no carro e voltei para o quentinho do hotel.

E foi assim a minha incursão ao Alto Minho. Agora há uma coisa que é indisfarçável nestas terras minhotas. O isolamento, a solidão está por todo o lado. Quem vive lá já se habituou, mas quem vai de fora nunca se habitua e custa-lhe perceber como é que se vive ali. Mas espero um dia lá voltar.

P. S. A foto do santuário é do Carlos Romão autor da Cidade Surpreendente e outros blogues interessantes.

1 Comentário »

RSS feed for comments on this post. TrackBack URI

  1. […] 67 – Astrofesta em 2008. Visão crítica do Elísio, Filipe e José Matos (também aqui). Astrofesta 2007, e crítica do José Matos. Astrofesta 2006, pelo José Matos (e aqui), João Calhau, e Orion. Astrofesta 2005, programa, crítica do José Matos. […]


Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

Create a free website or blog at WordPress.com.
Entries e comentários feeds.

%d bloggers like this: